Quem sou eu? O que faço

Minha foto
João Pessoa, Paraíba, Brazil
Quem sou? O que faço. Sou Maria de Lourdes, tenho, agora, 62 anos, esposa, mãe e avó, formação jurídica, com pós graduação em Direitos Humanos e Direito Processual Civil, além de um curso não concluído de Filosofia. Conheci os clássicos muito cedo, pois não tinha permissão para brincar na rua. Nosso universo – meu e de meus irmãos – era invadido, diariamente, por mestres da literatura universal, por nossos grandes autores, por contistas da literatura infanto-juvenil, revistas de informação como Seleções e/ou os populares gibis. Todos válidos para alimentar nossa sede de conhecimento. Gosto de conversar, ler, trabalhar, ouvir música, dançar. Adoro rir, ter amigos e amar. No trabalho me realizo à medida que consigo estabelecer a verdade, desconstruir a mentira, fazer valer direitos quando a injustiça parece ser a regra. Tenho a pretensão de informar, conversar, brincar com as palavras e os fatos que possam ser descritos ou comentados sob uma visão diferente. Venham comigo, embarquem nessa viagem que promete ser, a um só tempo, séria e divertida; suave e densa; clássica e atual. Somente me acompanhando você poderá exercer seu direito à críticas. Conto com sua atenção.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

HOMENAGEM AOS AMIGOS



BOM DIA AMIGOS,



Hoje, 18 de abril, escrevo a você meu amigo, a você minha amiga, velando o sono da melhor amiga que um ser humano pode ter. São 04:30 da manhã, o dia  amanhece e nesta cidade, onde o sol nasce primeiro, vejo o céu colorir-se com nuances meio avermelhadas, meio alaranjadas; vejo também uma escola e um ginásio, neles  o  silêncio completo contrasta com o rebuliço e o barulho dos atletas durante a tarde e o anoitecer de ontem. Pretendo concluir minha mensagem, não se poderei fazê-lo ainda nesse dia, ela é atípica e foge ao programado.

Estou no Hospital da UNIMED – João Pessoa,  no apartamento 561, onde se encontra, restabelecendo-se, um dos maiores tesouros que DEUS  me deu. Uma amiga inestimável. Você que me honra com sua atenção certamente, como eu, tem alguém que sempre esteve ou está ao seu lado, lutou sua luta, sorriu com suas vitórias, ficou triste com seus insucessos, alegrou-se na sua alegria, deu o primeiro passo no início de cada caminhada e quando não estava adiante, abrindo seus caminhos e de braços abertos para recebê-lo no final da jornada, era porque estava a seu lado, acompanhando-o. Essa pessoa de que falo não é só minha mãe é também a minha melhor amiga, companheira, confidente e por vezes a crítica que me recoloca na direção certa.

Pois é, há sempre alguém, em qualquer lugar que nós nos encontremos que é especial. Muitas vezes não diz o que queríamos ouvir; outras vezes não faz aquilo que desejávamos; noutros momentos critica as nossas escolhas e até mesmo nos enfrenta, sugerindo   que estamos em reta de colisão.

 Calma, basta um segundo de reflexão, aí, na maioria das ocasiões descobrimos: o que queríamos não servia para nós e concordar seria, no mínimo, desatenção de quem nos ama; fazer aquilo que desejávamos era injusto, pois preteriria outros com iguais direitos;  o enfrentamento aparentemente delineado, revela, com toda certeza, amor, cuidado, amizade. Nesses momentos não há como recuar, reconhecer é antes de tudo racionalidade. Obrigada amigo, amiga, por ter sido verdadeiramente fiel a nossa amizade e por não ter dito sim a algo cuja resposta teria que ser não.

Tenho amigos e amigas, poucos em relação aos anos vividos, aos locais freqüentados e a minha vida como cidadã e profissional. Mas, são especiais, maravilhosos. Uns são familiares e cujos laços de sangue, a cada dia são reforçados por sentimentos, respeito e atitudes; outros são criaturas dos quais tenho a dádiva de privar da amizade por várias circunstâncias e, cuja convivência permite que eu aprenda a cada dia com eles, que haja um aprimoramento em meu modo de ser, que sejam aparadas arestas e que aconteça um crescimento pessoal e espiritual. oada dia com eles, que haja um burilamento por nento ue DEUS  me deu.  

Alguns, são a primeira linha de minhas emoções, são meus amores, mas são também meus amigos. Que os demais não se sintam menos amados, apenas, esses são tão próximos, mas tão próximos que as vezes confundo e tenho a pretensão de pensar e sentir por eles e me causa  "surpresa" ver que nos amamos mas não somos um, essa sensação é assustadora, engraçada e enriquecedora.

Agradeço a DEUS a certeza de ter amigos amores (na ordem etária decrescente) como “Dª. Luzia, José Humberto, Paula, José Álvaro, Socorro, Fábio,  Nanda,  Gió,   Carol,  Zéa,  Gabi,  Kaline,    Fred,  Luzia,  Léo,  Alvinho, Lílian,  Luíza, Juliana, Dani, Bia Cecília, Carolzinha  ..... e os demais que conhecem o meu coração e sabem de minha afeição e amizade."

Sem amigos certamente ocorre uma deformação da personalidade, um retrocesso cultural, um descompasso entre o ser humano e a finalidade divina da criação, pois, como haveria o amor sem esse aspecto divinal da amizade?

Uma sobrinha/afilhada e amiga repete: "Ser feliz é uma obrigação diária."  Peço licença para completar: "Fazer feliz é meta de vida e certeza de felicidade".  






                                                  O amor das músicas:



 Canção da América
Milton Nascimento

Amigo é coisa para se guardar
Debaixo de sete chaves
Dentro do coração
Assim falava a canção que na América ouvi
Mas quem cantava chorou
Ao ver o seu amigo partir

Mas quem ficou, no pensamento voou
Com seu canto que o outro lembrou
E quem voou, no pensamento ficou
Com a lembrança que o outro cantou

Amigo é coisa para se guardar
No lado esquerdo do peito
Mesmo que o tempo e a distância digam "não"
Mesmo esquecendo a canção
O que importa é ouvir
A voz que vem do coração

Pois seja o que vier, venha o que vier
Qualquer dia, amigo, eu volto
A te encontrar
Qualquer dia, amigo, a gente vai se encontrar.

Composição: Fernando Brant e Milton Nascimento

 Nossa Amizade Fernanda Brum

Cada vez que eu olho para trás

vejo o cuidado de Deus
lembro com carinho o dia que eu conheci você

Hoje eu te respeito demais

vejo a falta que você faz
não demore tanto assim a me procurar
não mandei me conquistar

Nossa comunhão vai invadir as portas da eternidade

temos que escolher canções
pra contar pro Senhor
não espero perfeição

Não abro mão de você

não abro mão de tudo que Deus revelou
você merece espaço em meu coração
o meu carinho, a minha comunhão
nossa amizade o Senhor escreveu
nós somos prova do cuidado de Deus

Dia e noite eu vou orar por você

estamos em guerra, precisamos vencer
eu sinto força ao segurar sua mão
e nada mais vai impedir a nossa oração 


                                                           O amor da poesia:

Eu talvez não tenha muitos amigos.

Mas os que eu tenho são os melhores
que alguém poderia ter.

Além disso tenho sorte, porque os
amigos que tenho têm muitos
amigos e os dividem comigo.

Assim o meu número de amigos sempre
aumenta, já que eu sempre ganho
amigos dos meus amigos.

Foi assim aqui, uns eu ganhei há tempos,
outros são mais recentes.

E quem os deu não ficou sem eles,
pois a amizade pode sempre ser
dividida sem nunca diminuir
ou enfraquecer.

Pelo contrário, quanto mais dividida,
mais ela aumenta.

E há mais vantagens na amizade:
é uma das poucas coisas que não
custam nada e valem muito,
embora não sejam vendáveis.

Entretanto, é preciso que se cuide um
pouco das amizades. As mais recentes,
por exemplo, precisam de alguns cuidados.
Poucos, é verdade, mas indispensáveis.

É preciso mantê-los com um
certo calor,falar com eles mais
amiúde e no início, com muito jeito.

Com o tempo eles crescem, ficam
fortes e até suportam alguns trancos.

Os mais antigos, já sólidos, não exigem
muito, são como as mudas das plantas,
que depois de enraizadas, parecem
poder viver sem cuidados, porém não
podem jamais ser esquecidas.

Algo é preciso para mantê-las vivas.

Prezo muito minhas amizades e
reservo sempre um canto no
meu peito para elas.

E, sempre que surge a ocasião, também
não perco a oportunidade de dar um
amigo a um amigo, da mesma forma
que eu ganhei vocês.

E não adiantam as despedidas.
De um amigo ninguém se livra fácil.

A amizade além de contagiosa
é totalmente incurável. "

Vínicius de Morais

Amor,  amizade e   o toque de sensibilidade das imagens:  


Mãos que se erguem e acolhem

 

A Paz do Melhor Amigo

Mãos que se entrelaçam

Mãos que reúne


O calor que aproxima
A delicadeza que encanta





O conforto do apoio

O carinho


O beijo para todos

3 comentários:

Cynthia Pessoa disse...

Lourdinha, quero lhe dizer que sou muito grata por ter você como amiga. Uma amiga especial, que admiro muito pela alegria de viver, pela inteligência, pela sabedoria, pela educação e pela agradável companhia. Seu texto é carregado de amor, o qual vejo ser destilado diariamente pelos que lhe cercam, através de palavras gostosas de serem ouvidas, conselhos sábios e seu humor contagiante. Eu, agora, diante de tristes acontecimentos recentes que me abalaram, aprendi a definir muito bem o que é uma amizade VERDADEIRA. Às vezes nos apegamos a pessoas tão diferentes de nós, sem explicação, mesmo assim respeitamos e discordamos de certas atitudes.No entanto, aprendi também que o respeito deve ser mútuo, assim como o carinho e o companheirismo. Aprendi que em questão de educação de berço, assim como de religião, deve ser "cada um no seu quadrado". Não tem como ser diferente... Obrigada pela sua amizade. Bjs

Luzia disse...

"me causa "surpresa" ver que nos amamos mas não somos um", é o desafio do amor, amar o diferente. O texto está lindo, carregado de sentimentos e por isso emociona muito. Te amo mainha, obrigado por ser a minha melhor amiga. Bjs.

Tania Mara (tema d casa) disse...

Olá Maria de Lurdes!!!
Eu acho que vc tem toda razão. Quando pensamos na felicidade de outros automaticamente nos sentimos realizados e bem com nosso eu interior.
Abração querida e bom domingo pra vc