Quem sou eu? O que faço

Minha foto
João Pessoa, Paraíba, Brazil
Quem sou? O que faço. Sou Maria de Lourdes, tenho, agora, 62 anos, esposa, mãe e avó, formação jurídica, com pós graduação em Direitos Humanos e Direito Processual Civil, além de um curso não concluído de Filosofia. Conheci os clássicos muito cedo, pois não tinha permissão para brincar na rua. Nosso universo – meu e de meus irmãos – era invadido, diariamente, por mestres da literatura universal, por nossos grandes autores, por contistas da literatura infanto-juvenil, revistas de informação como Seleções e/ou os populares gibis. Todos válidos para alimentar nossa sede de conhecimento. Gosto de conversar, ler, trabalhar, ouvir música, dançar. Adoro rir, ter amigos e amar. No trabalho me realizo à medida que consigo estabelecer a verdade, desconstruir a mentira, fazer valer direitos quando a injustiça parece ser a regra. Tenho a pretensão de informar, conversar, brincar com as palavras e os fatos que possam ser descritos ou comentados sob uma visão diferente. Venham comigo, embarquem nessa viagem que promete ser, a um só tempo, séria e divertida; suave e densa; clássica e atual. Somente me acompanhando você poderá exercer seu direito à críticas. Conto com sua atenção.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

A PROFISSÃO MAIS HONESTA


CONCURSADO NÃO!

E agora? Bem que se poderia dizer:“E agora LULA? Fazer uma homenagem a lucidez do velho Chico, não o rio, e sim o artista.  Não o que mora na região dos Jardins, em Paris, mas àquele jovem que em consenso com dolorosa realidade da Pátria amada, sempre tão distraída, levava o Brasil nos seus versos e cantava: “E agora, José? A festa acabou, A luz apagou, O povo sumiu, A noite esfriou. E agora, José? E agora, você? Você que é sem nome. Que zomba dos outros. Você que faz versos. Que ama, protesta? E agora, José?” *Imagem:apollobrasil.com
Pois é, poderia ser José, mas não é. A pergunta que não quer calar, vem recheada de outras, outras...outras... . E agora Lula? E agora PT? Com toda a certeza uma quarta-feira (14) inesquecível. O Ministério Público federal denunciou Lula, Marisa Letícia e outras seis pessoas, por ”esquema de lavagem de dinheiro”. Sob o conduto de reiterada investigação, cai como um raio a declaração que impactou a Nação brasileira: “Lula era o comandante máximo do esquema da Lava Jato”.*Imagem:luizberto.com.br

A afirmação não foi de um neófito. Também não se fundamenta em “memes” que invadem as mídias. Igualmente não se prende, a essa ou aquela preferência político-partidária. O que se vê é a instituição - Ministério Público – exercendo, no Estado de Direito, um papel imprescindível, essencial à Democracia. É fundamento e desígnio da  filosofia cerne desse Estado, igualmente ao Legislativo, o Judiciário e o Executivo. Trata-se de atos do fiscal Constitucional da Lei, do seu cumprimento e correta aplicação.*Imagem:www.jjshow.com.br 
O Procurador Federal Deltan Dallagnol afirmou que, segundo provas do MPF, Lula era o "comandante máximo do esquema de corrupção identificado na Lava Jato". Susto? Surpresa? O País adormeceu aturdido. Acordou perplexo e inquisitivo. A sociedade brasileira, o povo brasileiro, agoniza ante a execrável desfaçatez que parece ter dominado a cúpula do Poder Executivo *Imagem:zh.clicrbs.com.br



Triste a declaração que se seguiu, feita pelo Ex- Presidente, aqui em sua exata transcrição: “Eu de vez em quando falo que as pessoas achincalham muito a política, mas a profissão mais honesta é a do político. Sabe por que? Porque todo ano, por mais ladrão que ele seja, ele tem que ir para a rua encarar o povo, e pedir voto. O concursado não; se forma na universidade, faz um concurso e está com emprego garantido o resto da vida. O político não. Ele é chamado de ladrão, é chamado de filho da mãe, é chamado de filho do pai, é chamado de tudo, mas ele tá lá, encarando, pedindo outra vez o seu emprego.” *Imagem:portal.comunique-se.com.br


Ouvir e não acreditar. Buscar ouvir mais uma, duas, três vezes, até o convencimento de que não houve engano quanto a resposta de Lula à Nação. Nada mais normal que cidadãos e cidadãs verbalizem suas negativas em situações semelhantes. A incredulidade veio da insensatez da fala do Ex-presidente. Uma pessoa pública agindo como ele o fez, com terrível desprezo pela profissão que abraçou e, desacato aos demais.* Imagem:pensadoranonimo.com.br

Não se trata de brincadeira e sim de afronta a tudo o que significa ética, decência, equilíbrio e, até mesmo, a cidadania. Não é segredo. Foi dito em alto e bom som, para as mídias escritas, televisivas e seus porta-vozes: jornalistas, repórteres, blogueiros. Enfim, todos que podiam divulgar a desastrosa construção linguística e política de Lula. Sem qualquer dúvida, melhor e mais eficaz, teria sido o Ex-presidente trocar o desastre pelo silêncio.*Imagem:folha.com.br

Publicada e amplamente divulgada a fala é puro acinte.  Deboche com o brasileiro que se empenha, estuda, trabalha, faz concurso, é aprovado e nomeado, sem padrinho político, sem conchavos, sem nepotismo ou troca de favores. Mas não é fato isolado. Faz pouco tempo, guarda correlação com a situação atual o costumeiro desequilíbrio e verborreia de Lula : “Uma coisa que me orgulho é que não tem nesse País uma viva alma mais honesta do que eu”. *Imagem:apollobrasil.com
Pois é, mesmo com toda essa perfeição e singularidade, em 20 de setembro de 2016, o Juiz Federal Sérgio Moro  - concursado -, aceitou a denúncia do Ministério Publico Federal  e Lula se tornou réu de ação criminal pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Pode, se o desejar, exercer sua defesa até a exaustão. Talvez não seja necessário cumprir a melindrosa promessa, feita diante de holofotes e microfones: “ir a pé entregar-se”. Afinal tem a chance de demonstrar sua inocência. *Imagem:tribunadoceara.uol.com.br


A adoção de algumas posturas, por Lula e seus Advogados, mantêm como característica sobrepor a figura do investigado à Lei. Acostumado à blindagem que o cercava nos anos que esteve à frente e nos bastidores do Governo, o ex-presidente nada ouviu, nada falou e nada viu. A autoestima exacerbada faz com que, mesmo sendo réu, se debata ante o tratamento que lhe é dado, qual seja: aquele que é outorgado a todos os demais investigados e réus na operação Lava jato. Mas, qual é a diferença? O passado? Como? Se daquele nada restou? A ética, a decência, a esperança e lisura apregoadas a princípio, foram corroídas num mar de lama e corrupção.*Imagem:robsonpiresxerife.com


Voltar ao mesmo assunto. Não em razão das estapafúrdias declarações do Ex-presidente mas, porque  suas reiteradas atitudes, além de sarcásticas, incomodam e devem ser repelidas por todo cidadão que trabalha, paga seus impostos, tem comportamento compatível com a cidadania. Inclusive, não há como ignorar que é desmoralizante para a sociedade o fato do cidadão Lula persistir em se colocar acima de tudo e de todos, até mesmo da Lei. *Imagem:wellingtonflagg.blogspot.com


Outrossim, é extremamente desagradável que a Auditoria do Tribunal de Contas da União tenha constatado o sumiço de 4.500 itens do patrimônio da Presidência da República. Dentre os itens desaparecidos  estão obras de arte, utensílios domésticos, objetos de decoração, material de escritório, computadores e também a faixa presidencial.Avaliados em  5,8 milhões, é mais um prejuízo causado. *Imagem: wellingtonflagg.blogspot.com    
Por que tanta resistência a análise do que foi apreendido na Lava jato? Ora, aqueles poderão ser confirmados ou não, como de propriedade do Ex-presidente Lula. Poderão, diferentemente do alegado, terem a confirmação de que deveriam ter sido incorporados ao patrimônio da Presidência da República. Com certeza, separar o joio do trigo, as joias do trivial, será salutar para todos. Cada coisa para seu legítimo dono. Afinal, inocente como só ele sabe ser, Lula pode até ter se confundido. *Imagem:www.youtube.com.br   


O Brasil deglute a inclusão do Ex-ministro Mantega, na 34ª fase da Operação Lava jato, que investiga contratos da Petrobras para construção duas plataformas e repasse financeiro em benefício do Partido dos Trabalhadores Guido Mantega recebeu voz de prisão, foi detido, ouvido em São Paulo e liberado. Ao decidir pela liberação o Juiz Sérgio Moro - autoridade que determinara a prisão temporária do Ex-ministro - declarou: "Procedo de ofício, pela urgência, mas ciente de essa provavelmente seria também a posição do MPF e da autoridade policial. Assim, revogo a prisão temporária decretada contra Guido Mantega, sem prejuízo das demais medidas e a avaliação de medidas futuras".*Imagem:profrogerioalvesdeoliveira.blogspot.com

Infelizmente quando se pensa que haverá uma pausa, que chegamos ao fundo do poço, são reveladas relações que estabelecerão novas ligações.  Assim a 35ª fase da operação Lava jato, nominada  "Omertá", surge tão intensa, tão quente quanto as iniciais, trazendo - conforme divulgado na imprensa nessa manhã - 45 Mandados Judiciais no Estado de São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo e ainda, no Distrito Federal. Distribuídos em 27 de Busca e Apreensão, três de Prisão Temporária, e 15 de Condução Coercitiva, demonstrando  suas ramificações. Imagem:valdecyalves.blogspot.com
        
A persecução da verdade impôs uma outra fase da Operação Lava Jato, levando à prisão o Dr. Antônio Palocci, Ex-ministro da Fazenda (2003-06) do governo do Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da Casa Civil (2011) do governo Dilma Rousseff. Será enviado para  Curitiba, onde as investigações da Lava Jato estão condensadas, o italiano, como era chamado, em seus contatos com o grupo Odebreché apontado como a origem da denominação para essa nova etapa. "Omertà", para quem não lembra, é a famosa e temível  "lei do silêncio", uma das características da máfia italiana.*Imagem:forum.ls-rp.com               

A cada dia fica uma nova interrogação: Quem serão os próximos? Nessa sucessão de horrores vimos e vemos os Comandantes da Área Econômica do Governo Petista, um a um, envolvidos  em investigações de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Quando isso chegará ao fim? *Imagem:reflexoesparatodos.blogspot.com